sábado, 15 de novembro de 2014

PROIBIDO ESTACIONAR

Ainda que eu tenha procurado algum portador na rua, além dos comerciantes locais e bancas de jornal naquele dia, ninguém dispunha de uma folha de zona azul. Por conta já do atraso em decorrência do trânsito, não havia nenhum outro local para deixar o carro senão naquela vaga e correr o risco de ser multado. Após as tentativas sem sucesso de adquirir uma folha, achei que daria tempo de comparecer rapidamente a um compromisso e voltar sem que nada acontecesse, mas infelizmente não foi assim.

Por isso, pensei que o proibido estacionar não era tão proibido assim, desde que eu me respaldasse do recurso necessário para que fosse permitido, no caso uma folha do talão zona azul.



O policial não sabia que eu havia procurado sem sucesso uma folha, e mesmo se soubesse não faria diferença. Ainda que a minha necessidade fosse patente, não se justificaria eu não ser penalizado.

Isso me fez enxergar então 3 variáveis nessa situação: O carro parado em lugar proibido (evento), a multa (resultado), e a folha do zona azul (recurso).

Podemos imaginar o carro como nossas vidas. Da mesma forma que um automóvel, também passamos pelas manutenções necessárias que nos trazem aprendizado e evolução, buscando nos abastecer com situações que dinamizam nossa energia e também precisamos de limpeza e abrigo das intempéries do dia a dia. Somos guiados pelos caminhos que desejamos e escolhemos ou quando não, surpreendidos por acidentes e eventos que fogem ao nosso controle. Mas na maior parte do tempo, nos conduzimos estacionando onde e quando desejamos, e isso traz resultados que merecem ser analisados.

A multa é uma das consequências que podemos sofrer quando eventualmente assumimos posturas imprudentes ou inconsequentes na maneira de guiar nossa vida. Ainda que os motivos sejam aparentemente justos, às vezes podemos sofrer se estivermos agindo de forma inadequada. Quem sabe valha a pena reconfigurarmos a definição de "estacionar". Quem sabe isso se reflita naquela promoção esperada que de repente não aconteceu. Talvez ali fosse o momento de movimentação em busca de capacitação para aquele objetivo. Como o carro estava estacionado e o nível de exigência para aquela nova função não pôde ser alcançado, houve como penalidade a perda da oportunidade.

Por fim a terceira variável, a folha da zona azul, pode ser vista como o instrumento que valida a necessidade e permissão de parada. O talonário zona azul é aquilo que precisamos para garantir que a parada seja efetivamente benéfica e satisfatória. Corporativamente falando por exemplo, tenho os recursos necessários para me permitir parar por um tempo e respirar um pouco e descansar ? Estou certo de que este é o local mais adequado para eu parar neste momento ? Estou seguro que minha ausência será estratégica e não causará danos e que terei tempo suficiente de retomar dentro do prazo esperado evitando assim, impactos negativos ? Dessa forma o "estacionar" pode ser aplicado em qualquer área da vida, analisando quais os benefícios e riscos de tomar essa decisão.

Nunca é demais perguntar: Aqui é lugar de parar ? O que isso vai me custar ? Quem sabe valha a pena refletirmos sobre "onde e como" decidimos estacionar.
Podemos estacionar ? Precisamos estacionar? Por quê ?


Demétrius Rocha