sábado, 1 de julho de 2017

FUNCIONAR NO AUTOMÁTICO VALE A PENA?

Tem coisas que parecem tão simples, mas só nos damos conta do que são ao perceber a reação do outro.

Um dia desses fui a uma consulta, e notei que cada pessoa atendida no momento do cadastro pela secretária, era informada que deveria olhar para a câmera. Fiquei curioso pois não tinha visto isso dentro de um consultório, mas na própria recepção ou portaria do prédio, onde já havia passado. Pensei qual seria a razão de olhar para a câmera, sendo que notei pelo reflexo da parede atrás dela, que a imagem do paciente aparecia preenchendo toda a tela, tornando mais do que possível a identificação. Pensei que seria uma oportunidade de aprontar uma "pirraça" como diria minha mãe.

Após uns minutos, já sentado à frente da senhora que me atendia, em dado momento:
_ Olhe para a câmera por favor.
_ Desculpe, mas... porque olhar para a câmera?
Ela arregalou os olhos e seu tom tornou-se ácido.
_ Olhe para a câmera por favor, senhor.
_ Minha imagem está aí senhora. A senhora pode tirar a foto.
_ Se você não olhar para a câmera, “o sistema” não aceita e não grava sua imagem.
_ Pode tirar a foto por favor.



Fiquei em silêncio, e não quis olhar para o buraquinho da câmera que nunca identifico e sempre me deixa vesgo nas fotos ou então com o olhar de quem parece estar em outro mundo. J Esse era o meu motivo, mas ela não precisava saber. Estava provocando-a, mas de uma forma bastante educada. Notei que ela simulava algum problema técnico apertando botões inexistentes - lembra do reflexo da parede de vidro? - e virando e batendo a câmera como se estivesse com algum parafuso solto. Era mais importante validar o seu discurso naquele momento, do que dar importância ao que de fato importava, ou seja, fazia sentido aquilo?

Isso me fez lembrar quando tenho atitudes que são corriqueiras, como entrar em casa e acender todas as luzes de todos os cômodos, deixar a torneira aberta enquanto escovo meus dentes, ou passar por toda a equipe da empresa que trabalho sem olhar nos olhos de ninguém quando chego sempre atrasado; ou ao visitar meus pais, não percebendo que passo mais tempo no celular do que perguntando como foi a semana. 

Todos nós realizamos ações no dia a dia que talvez não façam o menor sentido, e simplesmente não percebemos por estarmos no “automático”, e só nos daremos conta, quando então alguém nos questionar a respeito.

Será que minhas ações, embora tão naturais e óbvias para o meu jeito de funcionar, são as melhores? Será que posso aprimorar ou evoluir coisas que não percebo, se refletir a partir de pequenas observações?

Após ser atendido pelo médico, tive que passar na recepção novamente para pegar alguns documentos e enquanto aguardava, percebi que ninguém mais precisava olhar para a câmera ao cadastrar-se. Pelo menos naquele momento, ou dia, não se sabe.

No final, não sei bem o que aquilo significou para a senhora da recepção. Mas pra mim, trouxe um grande aprendizado ao imaginar-me no lugar dela com alguém perguntando o porque de eu fazer/ser/ter isso ou aquilo. Muita coisa fez sentido pra mim naquele dia.

Demétrius Rocha

50 comentários:

  1. Excelente reflexão! A falta de tempo, a rotina, o dia a dia muitas vezes nos levam a entrar no automático.ficarei atenta para que isso não aconteça. Ótimo texto, simples e com muito significado. Parabéns! Rosana DB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rosana. Estejamos atentos aos detalhes como vc bem lembrou. Pode ser que neles estejam grandes segredos que façam muita diferença não é? Obrigado por aparecer!

      Excluir
  2. Muito interessante sua reflexão querido Demetrius. Não vivo no automático hoje mas já vivi. Creio que o automático faça parte de um período das nossas vidas no qual a relação com o próximo varia de muito intensa a superficial na velocidade da luz. Há porém uma variedade enorme de pequenas , boas e muito interessantes formas de relacionamentos que descobrimos quando perdemos a pressa e quando a intensidade da relação não é mais o tempero principal. Que sejam bem vindos os detalhes e a releitura dos pequenos e breves momentos e movimentos porque a vida é assim! Beijos mil, querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Nuruara. Muito obrigado por compartilhar tão rica experiência de vida! Sim, pode ser que no processo evolutivo individual a caminhada no "automático" faça parte realmente, e vale muito essa reflexão sua principalmente quando percebemos que tal situação tem um prazo de validade, após percebermos a relevância dos detalhes. No final, que no lugar da intensidade das relações, fique esse legado, aquilo que de fato tem significado para nós e quem nos cerca. Beijos mil também!

      Excluir
  3. Interessante. Gostei muito.

    Vera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vera, que bom que gostou! Apareça sempre que puder e nos prestigie com sua colaboração. Muito obrigado!

      Excluir
  4. Muito interessante. Gostei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vera. Que bom que gostou, obrigado. Apareça sempre que puder!

      Excluir
  5. Gostei. Muitas que fazemos sem questionar são desnecessárias. Imagina a economia de tempo que gerariamos se passassemos a questionar tudo. Fica a daqui mesmo!!! Obrigada!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá nossa visitante sem nome! Que bom que gostou. Faz sentido questionarmos um pouco de vez em quando não é? É uma forma de estimular a nós mesmos na compreensão do mundo. Quem sabe além de ganhar tempo, possamos interagir e sermos agentes de impacto positivo. Muito obrigado!

      Excluir
  6. Gostei. Muitas que fazemos sem questionar são desnecessárias. Imagina a economia de tempo que gerariamos se passassemos a questionar tudo. Fica a daqui mesmo!!! Obrigada!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá nossa visitante sem nome! Que bom que gostou. Faz sentido questionarmos um pouco de vez em quando não é? É uma forma de estimular a nós mesmos na compreensão do mundo. Quem sabe além de ganhar tempo, possamos interagir e sermos agentes de impacto positivo. Muito obrigado!

      Excluir
  7. Isso mesmo. Pensar às vezes fora de padrões que nos definem mas que seguimos cegamente é abrir espaço para a criatividade e crescimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo anônimo. Muito obrigado por comparecer. Não esqueça de se identificar numa próxima ok? Isso mesmo, criatividade e crescimento podem vir a partir de pequenas aberturas ressignificadas que podemos nos permitir a cada dia.

      Excluir
  8. Minha rotina é bem nesse sentido....acordo cedo pra ir pra faculdade, vou trabalhar e por fim vou dormir no final só dia. Gostei bastante do texto e de sua reflexão, parando para pensar é bom desligar o botão do automático às vezes é sair da rotina RS...
    Um abraço Demétrius, parabéns pelo Blog..... Dimi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dimi! Que satisfação recebê-lo! Que bom valer a pena refletir sobre nosso dia a dia e como levamos as coisas. Quem sabe a partir de um novo olhar no meio de toda a nossa agenda, possamos descobrir coisas incríveis que tragam novos significados na caminhada não é mesmo? Abraços e muito obrigado por aparecer!

      Excluir
  9. Sim sempre é possivel aprimorar e evoluir nossas atitudes, comportamentos. Sempre é possível obter novo aprendizado, porém isso vai da personalidade de cada ter ou não uma visão periferica da vida só existir ou existir e ser. ️Excelente reflexão Demetrius!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Célia, muito obrigado por comparecer e nos enriquecer com sua participação! Sua dica nos ajuda muito quando fala sobre o pensar, existir e avançar para o próximo passo... o ser. Isso nos ajuda a trazer significado para tudo, fazendo nossas ações terem verdadeiro sentido. Que bom que gostou. :)

      Excluir
  10. Demetrius,

    Excelente reflexão!

    Muitas vezes, em determinados momentos vivemos no piloto automático e não percebemos.

    A mudança de hábitos é fundamental para não viver a vida no automático.

    Um forte abraço.
    Robson Amorim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Robson. Mudança de hábitos e assumirmos o controle racionalizando um pouco mais, também trazendo auto-questionamento, realmente contribuem muito para sairmos do automático. Obrigado pela sua contribuição amigo!

      Excluir
  11. É a pura verdade. Quantas coisas no nosso dia são feitas no automático. Isso de imediato me fez lembrar de quando vou dirigindo pra minha casa ou para casa da minha mãe, passo pelo caminho no automatico, quando me pego surpreendida por já estar num determinado local sem nem ter percebido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha que legal seu comentário Helen. É bem assim mesmo. Que bom que suas experiências e observações a respeito das "passeadas pelo automático" foram positivas. Que ainda assim possamos ressignificar sobre o que fazemos - sem nem termos percebido como vc bem diz - que de repente pode nos trazer experiências negativas. Vale sempre refletir não é mesmo? Obrigado pela sua visita e participação!

      Excluir
  12. Claudio Ferreira1 de julho de 2017 22:59

    Parabéns pela sensibilidade de refletir sobre a simplicidade da vida refletida na rotina muitas vezes imposta sobre nossa comodidade mental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudio. Obrigado por sempre termos a oportunidade de sua visita amigo! Sim, nossa comodidade mental por vezes conduz coisas que sequer percebemos, e essa observação pode trazer mudanças. E tudo pode realmente ser muito simples como vc propõe amigo.

      Excluir
  13. Nossa ! Me vi no lugar da recepcionista... vivo praticamente no automático ... e nisso muitas coisas deixei de curtir pois vivi o momento no modo "automático". Ótimo texto Demi, faz a gente parar pra refletir...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciana, que bom que gostou e fez sentido pra você! Vamos sair desse "automático" e ver significado nas coisas e pessoas que nos rodeiam então e curtir de fato tudo o que acontece? :) Apareça mais. Ficamos muito felizes com sua visita!

      Excluir
  14. Caro Demétrius, percepções como esta, fazem com que olhemos para nós, nossas atitudes e de como sem perceber nos deixamos dominar pelo sistema que envolve muita tecnologia e relações frias e parecemos máquinas em busca da perfeição programadas no automático. Uma auto avaliação e mudança de atitudes se faz necessário. Parabéns pela análise.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo. Muito obrigado Nehad! Sim, a evolução externa que temos passado nas últimas décadas traz cada vez maior frieza na condução das nossas relações e tarefas. Faz muito sentido sua sugestão de nos desprogramarmos dessa modalidade que nos conduz tão fortemente com bombardeios externos e ativarmos nossa voz interna. E que isso se reflita no nosso modo de agir podendo enxergar e fazer tudo de forma diferente.

      Excluir
  15. Querido amigo,
    Sempre nos chamando a atenção com temas relevantes e esquecidos, infelizmente.
    Muitas vezes achamos que o óbvio não precisa ser discutido ou não precisa de atenção. O óbvio é óbvio não ?!!
    Aí é que está, cometemos os piores enganos quando não prestamos atenção nas pequenas coisas, nos pequenos detalhes, gestos, olhares... o óbvio. Saia do automático! Venha ver as coisas simples, bonitas e por que não dizer óbvias?
    Obrigada Demetrio.
    Valeu!!!
    Bjo grd amigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Adriana, Dri! Um dia ouvi que tudo podia ser simples, mas que o homem complicava tudo. Certamente você também ouviu né? Até aí pode ser um dos jargões que falamos a todo o tempo. Ocorre que por acaso esta semana lendo a Bíblia descobri o seguinte em Eclesiastes 7.29:
      1 - Tudo o que aprendi se resume nisto: Deus nos fez simples e direitos, mas nós complicamos tudo.
      (Nova Tradução na Linguagem de Hoje)
      2 - Eis que isto tão somente achei: que Deus fez o homem reto, mas os homens buscaram muitos artifícios.
      (João Ferreira de Almeida).
      Verdade verdadeira não é mesmo? rs
      Obrigado por estar conosco sempre!

      Excluir
  16. Li seu texto Demétrius, muito bom. Estou tentando de novo mandar os comentários mas não estou conseguindo. Seja se foi.
    Agnes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Agnes! Parece que agora veio! rs
      Muito obrigado pela sua visita!

      Excluir
  17. Ótimo texto Demétrius!
    Nos faz refletir e agir de forma diferente, saindo do automático!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonise, obrigado por estar conosco mais uma vez. Vale a pena o que vc propôe: reflexão e ação não é mesmo? Este inclusive é o tema das abordagens do site Cocriando. Reflexos e Ações!

      Excluir
  18. Muito boa reflexão meu amigo! Por um lado, vejo esse automático como um congelamento, uma cristalização do pensar. Cristaliza-se por muito fazer e se muito se faz, por estaria errado? (rs) E se o caminho já é conhecimento e não está errado porque deve-se muda-lo? Há um curioso conforto nas coisas que não mudam, não é mesmo?
    Por outro lado, vale também refletir sobre que outras funções cumpre o automático? Ligar no automático está a servico de que? (rs)
    Desculpe as provocações, mas acho que este é um assunto que dá pano pra manga rs. Vc abordou com excelência um dos aspectos contidos no modo automático. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sérgio, que ótimo ter você por aqui! Qual a graça se não houverem as provocações? Se não são elas que nos estimulam a avançar, o que seriam não é mesmo? Então mantenha-as ativas principalmente comigo. rs
      Obrigado por compartilhar amigo. Entendo que o automático é sim fruto de ações que enquanto não causem dano a terceiros, são perfeitamente aceitáveis. Um dos convites da reflexão é justamente pensar quando o nosso automático encontra o caminho de terceiros que podem ter reações inesperadas. Apareça mais!

      Excluir
  19. Olá Demétrius! Muito boa essa reflexão. Pois acredito que muitas vezes quando agem no modo automático é porque nem sabem o porquê de fazerem determinada coisa, ou seja, aprenderam assim e reproduzem o aprendizado sem entendimento e quando são questionados damos a essas pessoas a grande oportunidade de perceberem melhor suas atitudes. ABS Ângela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ângela, Que bom que gostou. Vale a pena pensar no que vc sugere, principalmente quando percebemos que a reprodução de alguns modelos ou comportamentos, são ocorrências que nós mesmo causamos não é mesmo? Se ao observarmos o próximo já podemos obter grandes aprendizados, imagine então quando percebemos que somos nós mesmos que estamos a reproduzir tais padrões de forma automática. Isso torna nossas descobertas e experiências mais ricas ainda! Obrigado por estar conosco.

      Excluir
  20. Excelente provocação! Somente as grandes mentes conseguem extrair do simples e cotidiano uma perfeita aula. Acho muito pertinente a sua colocação (eu também detesto olhar para a câmera), e sobretudo como a mecanização das coisas tornou impessoal os relacionamentos, que além de nos distanciar, nos faz sermos individualistas. Basta observar como o uso do celular impede/restringe o contato pessoal. E por outro lado, nos obriga a refletir sobre a repetição de comportamentos, dos quais nem sabemos o porquê. Será que somos produzidos em série? Perdemos nossa identidade por nos compararmos aos modelos estereotipados? Precisamos voltar à nossa essência de SER e não de TER ou ESTAR como todo mundo. Abraços cheios de admiração pelo amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lucia. "Será que somos produzidos em série?". Parece que hoje em dia estamos indo por esse caminho. Vale muito hoje refletirmos com sua pergunta. Se pararmos para perguntar quem somos, pode ser que encontremos as tão desejadas respostas que nunca chegaram, pois ainda perguntamos o que temos e como estamos. Meus agradecimentos por sua tão rica participação. :)

      Excluir
  21. Parabéns!Profunda reflexão!Infelizmente isso só tem crescido!É muito triste pensar que existem momentos que a indiferença...
    Nos faz muito mal, e podemos causar este mal também a outras pessoas!Tenho me esforçado para não estar no automático!E valorizar as pessoas mesmo com pequenas atitudes!!!Obrigado Demitrius pela reflexão!Ela nos te ver muitas coisas!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gláucia, que bom que gostou! Obrigado por compartilhar sua visão. Que façamos assim como vc muito bem sugeriu, nos esforçarmos para sair do automático. É mais fácil do que parece viu? Pois um simples olhar diferente e mais atento já pode significar muita coisa! :)

      Excluir
  22. Muito interessante!!! Há muito tempo aprendi que, ao contrário do que muitos pensam, é a pergunta que movimenta o mundo e não as respostas ou as soluções. São as dúvidas que nos fazem crescer, avançar, ir além do que já sabemos, fazemos, pensamos, ou até mesmo sentimos... Sem os questionamentos não sairíamos do mesmo lugar. Mas, a grande maioria dos indivíduos preferem a acomodação das respostas prontas, ações automáticas, sem raciocínio ou responsabilidades.
    Importante a sua reflexão para este momento! Tantas informações, tantas tecnologias, tantas facilidades. Mas, só acatamos o que nos é oferecido fazendo ou usando tudo sem pensar ou nos perguntamos se valem para nós, se são úteis, ajudam, prejudicam, ou mesmo se queremos?
    Pensamos de fato, criamos, saímos de nós mesmos ou só estamos passando por tudo sem nos darmos conta???
    Não quero isso para mim!!! Mas, preciso estar atento a cada instante para não entrar no modo automático!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Renato! Grande verdade refletir sobre as perguntas. Sem elas, o que seríamos e onde chegaríamos como certamente Sócrates diria. Tomo pra mim seu conselho de ponderar e criar situações onde caibam o "se" na maioria das vezes, para que as coisas realmente venham a fazer sentido nas ações que tomamos. "Porque" e "se" podem causar grandes processos de transformação! Apareça sempre que puder para aprendermos também com você.

      Excluir
  23. Olá Demétrius.
    Já tive essa mesma percepção algumas vezes. E vc descreveu muito bem o modo "automático" em que vivemos.
    Vejo muito isso no meu dia a dia, e para algumas pessoas é difícil mudar. Ouço muito frases do tipo: "Sempre fiz assim e dá certo. Não vou mudar agora".
    Acho que o comodismo e a falta de vontade de aprimoramento é a principal causa disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amanda, que legal sua contribuição!
      A sua participação me fez lembrar que muitas vezes eu também me vi em situações do tipo "Sempre fiz assim e dá certo, e não vou mudar agora"; até que me deparei com um ambiente que acabou por mudar minhas percepções e eu não estava preparado. Vale mais a pena estarmos atentos refletindo como reagiremos se as coisas mudarem, do que pensar que tudo sempre será como foi ou está sendo. Mais ainda em meio a tanta transformação que vivemos não é? Muito obrigado por nos prestigiar!

      Excluir
  24. Olá caro Demetrius,muito boa a reflexão e de extrema importância. Pois é
    As vezes precisamos de parar e refletir, sobre o que estamos fazendo é o que está por vir.

    Por que praticamente ou diretamente vivemos no automático. Então está mensagem, vem de encontro com o dia dia que vivemos. Portanto precisamos parar e fazer um alto analista de nossa vida e o que queremos para nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gilmar, que satisfação recebê-lo! Parar e refletir! Essa reflexão no presente e no que ESTÁ POR VIR como vc salienta, podem simplesmente mudar tudo! Definir o papel que as coisas representam para nossas vidas, quando você fala sobre analisar o que queremos para nós, são de fato grandes diferenciais. Obrigado pela sua participação.

      Excluir
  25. Coisas do dia a dia que não faz sentido para uns mas faz para outros. Precisamos apenas observar como o outro se comporta com a nossa atitude, simplesmente para não ferirmos ninguém e não nos machucarmos também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Raíssa. Obrigado por sua presença. Seria excelente termos condições de tanta segurança assim não é mesmo? Se apenas observarmos, podemos correr riscos de omissão. Em lugar de não interagir com o medo de nos ferirmos ou ao outro, o dano pode ser maior ainda com alguma das partes mais tarde. Certamente há momentos de observar, e outros de agir, mas somente observar ou agir sem refletir, seria um ato arriscado no mínimo. Apareça mais! :)

      Excluir